fbpx

Você não encontrará Manual na Psicanálise!

É bem importante termos esta clareza, pois são vários os alunos que, principalmente no início da Formação em Psicanálise, procuram por “manuais”, “direcionamentos”, e o “passo a passo” do “como fazer”.

Psicanálise não oferece nada disso.

Num primeiro momento é necessário que todo aquele que tem o desejo de ser psicanalista viva o processo de análise- livremente. Entrega total. É preciso estar aberto ao autoconhecimento e estar disponível a acolher os traumas e conflitos (sim, todos nós temos- e carregamos uma série de conteúdos que carecem de serem revelados).

Ao vivermos a análise, começamos a entender melhor o quanto é profundo este percurso.

E serão estas experiências pessoais, que se refletirão posteriormente no trabalho enquanto psicanalista.

Na Clínica, cada analisando é um. Cada indivíduo vivencia de forma muito particular a sua análise. Alguns com mais resistências, outros com fluidez… Outros, ainda, nem chegam a “entrar” em análise (tamanhas são as defesas).

Psicanálise é experiência individual e intransferível. Não sabemos como será o processo do outro (nem o nosso). Não existe controle. O papel do psicanalista é de presença, é de escuta e de provocação.

Já comentamos no texto anterior sobre as regras do atendimento. Podemos considerá-las como as únicas “regras” que você ouvirá na psicanálise. Todo o restante é uma incógnita, e que só se apresentará a partir da relação entre psicanalista e analisando.

O que se faz na primeira sessão? E na segunda? E na terceira?

Lamento informar… Psicanálise não se embasa em manuais ou protocolos. Ela se constrói na relação presente, na medida em que se instaura a transferência, e no tempo em que for necessário para que o conteúdo inconsciente comece a se apresentar.

Fabricio Tavares- Psicanalista
Instagram e facebook: @fabriciotavarespsicanalista
(41) 999201774

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *